Alelo Vegetal

arrozefeijaoBanco Ativo de Germoplasma (BAG)

Arroz e Feijão

Publicado em

Diagnóstico

Diagnóstico do BAG Feijão

Em 2011 iniciou-se um amplo trabalho para inventariar todos os acessos de feijão armazenados na câmara fria do BAG, com a finalidade de promover um diagnótico qualitativo e quantitativo do acervo conservado. Procurou-se levantar o número de acessos disponíveis no BAG Feijão, assim como a quantidade e a qualidade das sementes armazenadas. Inicialmente o inventário consistiu na pesagem da quantidade de sementes de cada acesso, re-embalagem e identificação dos frascos com de etiqueta com código de barras, contendo o novo número de registro do BAG (BGF), número antigo de registro (CF ou CNF), número de registro na Colbase (BRA) e o nome do acesso. Foi retirada uma amostra de 50 sementes por acesso para realização de testes de germinação e vigor, fotografia e multiplicação das sementes.

O acervo do BAG Feijão

Os registros de acessos de feijão no BAG Feijão contabilizam 16.602 acessos, incluindo 4.325 variedades tradicionais e 10.808 linhagens oriundas de programas de melhoramento de feijão do Brasil e do exterior. Deste total observou-se que 881 acessos (338 acessos tradicionais e 543 linhagens) não possuem sementes armazenadas no BAG. Portanto, o acervo de germoplasma de feijão do BAG é de 15.721 acessos ,sendo 4.325 variedades tradicionais, 3.127 linhagens introduzidas de programas de melhoramento do Brasil e 7.681 linhagens oriundas de programas de melhoramento de feijão de outros países. O BAG Feijão possui ainda1.624 acessos silvestres de Phaseolus spp.. O BAG Feijão contabiliza, portanto, 17.345 acessos de Phaseolus vulgaris e seus parentes silvestres.

Testes de germinação

Assim como no arroz há um monitoramento constante da germinação das sementes para evitar a deriva genética que ocasiona a perda de genótipos ou genes importantes, afetando a variabilidade genética dos acessos. No caso do BAG Feijão considera-se como ideal uma percentagem de 90 a 100% de germinação das sementes em testes com amostras dos acessos armazenados na câmara fria. Considera-se ainda que 50 sementes viáveis é o número mínimo de sementes capaz de representar um acesso de uma planta autógama como o feijoeiro.

Observou-se no BAG Feijão que dos 15.721 acessos, 3.917 acessos (24,92%) estão com quantidades de sementes abaixo de 50 g. Quanto ao teste de germinação, até o momento foram realizados em 15% dos acessos. Foi observada a presença de alguns acessos com poder germinativo abaixo da faixa ideal (mínimo de 90% de germinação). A germinação está sendo feita em papel germitest, após a realização de experimentos comparativos de germinação em areia e papel.

Distribuicao Frequencia Acessos: quantidades de sementes abaixo de 50 g.

Distribuicao Frequencia Acessos: quantidades de sementes abaixo de 50 g.

Teste de germinação em Phaseolus vulgaris testando areia e papel germitest (Fotos: Jaiosn Pereira de Oliveira/CNPAF).

Teste de germinação em Phaseolus vulgaris testando areia e papel germitest (Fotos: Jaiosn Pereira de Oliveira/CNPAF).

 

 

 

 

 

Acessos tradicionais com nome repetido

O acervo atual de variedades tradicionais de feijão oriundas de coletas realizadas no Brasil armazenadas no BAG Feijão é de 4.325 acessos. Em todos os grupos de cores há repetições de nomes. Por exemplo, existem 260 acessos com o nome Preto, 235 acessos chamados Mulatinho, 166 acessos conhecidos como Roxinho, 129 acessos denominados Rosinha, 81 acessos com o nome Carioca, e 79 acessos chamados de Amendoim. Testes criteriosos de identidade genética utilizando marcadores moleculares terão que ser realizados visando a eliminação de redundantes. Entretanto, até que isto seja concretizado, é de suma importância que o cliente do BAG informe o código BGF ao solicitar um acesso que utilizou em seu trabalho de pesquisa.

Coleção Nuclear de Feijão da Embrapa (CONFE)

A Coleção Nuclear de Feijão da Embrapa é formada por 600 acessos distribuidos em três estratos:
a) variedades tradicionais do Brasil; b) linhagens/cultivares melhoradas do Brasil; e c) linhagens/cultivares
introduzidas. Dos três estratos que compõem a CONFE, maior ênfase foi dada as variedades tradicionais
com 400 acessos . Esta coleção está sendo caracterizada morfologicamente e
agronomicamente para disponibilização de amostras de sementes para as instituições de pesquisa do Brasil
e do exterior.

figura36_variabilidade

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As variedades tradicionais, de maneira geral, são uma mistura de variedades. Isto tem dificultado o seu uso principalmente, em trabalhos de genética aplicados ao melhoramento de plantas. Para contornar este problema, todos os acesos da CONFE foram purificados através da autofecundação sucessiva uma planta por geração. Assim, o BAG Feijão dispõe para a comunidade científica nacional e internacional sementes da CONFE original e purificada para intercâmbio.

Em 2011 visando conhecer o acervo de germoplasma iniciou-se um amplo trabalho para inventariar todos os acessos de feijão armazenados na câmara fria do BAG. O objetivo é conhecer o número de acessos disponíveis no BAG Feijão, a quantidade e a qualidade das sementes armazenadas. Inicialmente o inventário consistiu na pesagem da quantidade de sementes de cada acesso, identificação das embalagens através de etiqueta com código de barras, contendo o novo número de registro do BAG (BGF), número antigo de registro (CF ou CNF), número de registro na Colbase (BRA) e o nome do acesso. Foi retirada uma amostra de 50 sementes por acesso para realização de testes de germinação e vigor, fotografia e multiplicação das sementes.